Parque Estadual Biribiri

 

PARQUE ESTADUAL BIRIBIRI

O nome do parque originou-se da fazenda homônima, que abrangia a maior parte de sua área e hoje já não se existe. “Biri”, no idioma indígena tupi-guarani, significa buraco. O Parque está situado na serra do Espinhaço, na bacia do rio Jequitinhonha. Com uma área de 170 km², fica na região sudeste de diamantina. Entre os principais cursos d’água presentes na unidade de conservação, destacam-se o córrego da Sentinela, formador da Cachoeira da sentinela; o córrego do Soberbo, formador da Cachoeira dos Cristais;


CACHOEIRA DOS CRISTAIS – Formado por 3 quedas, tem história curiosa: No século XIX, sua forma foi modificada. O curso do rio que dá origem a cachoeira foi desviado por garimpeiros afim de facilitar o trabalho de extração de ouro e diamante. Situado a 12 km da portaria do parque o local pode ser acessado de carro ou por caminhada em uma trilha de cerca de 10 km de extensão. Grau de dificuldade médio.


CACHOEIRA SENTINELA – Possui águas mais cristalinas do local, formando poços ideais para banho. Seu córrego, ao desaguar, forma pequenas cascatas. Localizada a 7 km da portaria do parque, pode ser acessada por carro ou por caminhada em uma trilha de 5 km de extensão. Grau de dificuldade médio.

VILA DO BIRIBIRI

A Vila Biribiri, inserida na área do parque estadual Biribiri, tem importante registro da história da indústria têxtil mineira. Foi nessa área que funcionou a fábrica de tecidos, criada pelo Bispo Dom João Antônio dos Santos, em 1876, uma das primeiras comunidades fabris do estado.

As pessoas que passam por Biribiri se encantam não somente por seu casario, mas principalmente pelas paisagens de beleza cênica, com seus rios de leitos de pedras, formando cachoeiras e atravessando campos. A área abriga várias nascentes e cursos d'água: o rio Biribiri, que moveu as turbinas da hidrelétrica geradora da força motriz da fábrica de tecidos; o rio Pinheiros e diversos córregos, sendo os mais famosos a Cachoeira Sentinela e a Cachoeira dos Cristais, o parque está inserido na bacia hidrográfica do Rio Jequitinhonha.

Os primeiros habitantes da região de Diamantina foram os povos indígenas do tronco linguístico macro-jê.

Difícil não se encantar com a Vila Biribiri e seu conjunto arquitetônico, possui bares e restaurantes sendo, o Restaurante Raimundo sem Braço que serve uma deliciosa comida Mineira feita no fogão a lenha, onde se pode sentar em mesas sob as sombras das árvores em frente ao Restaurante, apreciando a culinária local com uma cerveja estupidamente gelada e grande variedade de cachaças de diversos sabores. No Bar do Adilson pode-se encontrar também a tradicional comida mineira, cerveja gelada e opções variadas de tira gosto, apreciando tudo isso na sombra das árvores em mesas distribuídas ao longo de uma grande área gramada.

Na Vila um dos principais atrativos além do conjunto arquitetônico é o Restaurante do Sr. Raimundo sem Braço, e o Bar do Adilson, que tem como especialidade a típica comida mineira feita e servida em fogão a lenha.